A reavaliação de investimentos e terrenos em 2020

A Lei do Orçamento 2020 (L. 160/2019), nos parágrafos 693 e 694, previa a reabertura dos termos da reavaliação de participações e terras não listadas, modificando o artigo 2, parágrafo 2, do Decreto Legislativo 282/2002, convertido, com modificações, pela Lei 27/2003.

De acordo com essa lei, pessoas físicas, empresas simples, entidades não comerciais e sujeitos não residentes sem estabelecimento permanente na Itália podem avaliar a conveniência de concluir essa reavaliação; portanto, se houver a intenção de prosseguir com a venda desses ativos, eles poderão reavaliar o custo ou o valor de compra dos investimentos em ações não listados e das terras pertencentes a 1 de janeiro de 2020 fora do regime da empresa.

A atualização do valor de fato permite “liberar” todo ou parte do valor do ganho de capital latente, tributável para fins de imposto de renda pessoal (artigo 67, parágrafo 1, letra a – c-bis Tuir), a fim de reduzir o impacto imposto para quem deve proceder à alienação de investimentos ou terras.

Para concluir a reavaliação e, portanto, poder usar o novo valor “atualizado” como base tributável, em vez do custo histórico, é necessário:

  • ter um relatório de estimativa preparado por um profissional qualificado que ateste o valor do investimento em ações e terrenos em 1 de janeiro de 2020, preparado em 30 de junho de 2020;
  • novamente, em 30 de junho de 2020, o pagamento do imposto substituto, igual a 11%, tanto para as participações (qualificadas e não) quanto para o terreno, através do modelo F24 (código tributário “8055”). O pagamento pode ser feito em uma única solução ou em parcelas com no máximo três parcelas anuais iguais, nos seguintes prazos: primeira parcela:
  • 30 de junho de 2020;
  • segunda parcela: 30 de junho de 2021;
  • terceira parcela: 30 de junho de 2022.

 

Obviamente, para as parcelas posteriores à primeira, os juros devem ser calculados no valor de 3% ao ano, a serem pagos simultaneamente a cada parcela.

As reavaliações anteriores foram certamente mais vantajosas, pois previam alíquotas reduzidas e diversificadas de acordo com o tipo de participação, enquanto a atual reavaliação prevê uma alíquota substituta única igual a 11%.

Com base no especificado na circular 47 / E / 2011, a reavaliação é considerada concluída com o pagamento da totalidade ou da primeira parcela do imposto substituto nos termos indicados acima, e a partir desse momento o contribuinte pode tirar vantagem imediata do novo valor de compra com o objetivo de determinar qualquer ganho de capital referido no artigo 67 da Tuir.

Pelo contrário, se o pagamento do valor total ou da primeira parcela for efetuado após o prazo final (30 de junho de 2020), a reavaliação não poderá ser considerada concluída; como resultado, o contribuinte não pode usar o valor atualizado para determinar o possível ganho de capital, mas, no máximo, pode solicitar um reembolso do que realmente foi pago.

Na mesma circular, no entanto, é estabelecido que, quando o atraso e o pagamento omitido se referiam às parcelas subsequentes à primeira, o contribuinte sempre pode regularizar a violação usando a instituição do arrependimento ativo.

 

por Stefano Pignatelli

Revisor Oficial de Contas em Roma.

0